1912. Bruno Walter (1876-1962).

  • Profissão: Pianista, maestro.
  • Residências: Berlim, Viena, Hamburgo, Nova York, Beverly Hills.
  • Relação com Mahler: Amigo, Círculo Pernerstorfer (membro). Trabalhou com Gustav Mahler em Hamburgo de 1894 a 1896 e de 1901 em Viena.
  • Correspondência com Mahler: Sim.
  • Nascido em: 15-09-1876 Berlim, Alemanha como Bruno Schlesinger.
  • Casamento: Elsa (Else) Wirthschaft (nascida em 1871, falecida em 26-03-1945, com 74 anos). Também: Elsa (Else) Korneck (nome de solteira).
  • Endereço: 1901: Neustiftgasse, Viena.
  • 1907 consultado Sigmund Freud (1856-1939).
  • Filha 1: Gretel Marguerite Neppach-Walter (1906-1939). Assassinado em 21/08/1939 em Berlim. Ela se apaixonou pelo barítono Ezio Pinza e foi assassinada por seu marido ciumento, Robert Neppach, que então se matou.
  • Filha 2: Lotte Lindt-Walter (1910-1970).
  • Morreu: 17-02-1962 Beverly Hills, América. Bruno Walter morreu de ataque cardíaco em sua casa em Beverly Hills em 1962.
  • enterrado: Cemitério Abbondio, Ticino, Suíça.

Bruno Walter (nascido Bruno Schlesinger) foi um maestro, pianista e compositor alemão. Nascido em Berlim, deixou a Alemanha em 1933 para fugir do Terceiro Reich, fixando-se finalmente nos Estados Unidos em 1939. Trabalhou em estreita colaboração com Gustav Mahler, cuja música ajudou a consolidar o repertório, ocupou cargos importantes na Orquestra Gewandhaus de Leipzig, Nova York Philharmonic, Concertgebouw Orchestra, Salzburg Festival, Vienna State Opera, Bavarian State Opera, Staatsoper Unter den Linden e Deutsche Oper Berlin, entre outras, fizeram gravações de significado histórico e artístico e é amplamente considerado um dos grandes maestros do século XX .

Vida pregressa

Nascido perto de Alexanderplatz, em Berlim, em uma família judia de classe média, ele começou sua educação musical no Conservatório Stern aos oito anos, fazendo sua primeira aparição pública como pianista quando tinha nove; ele executou um movimento de concerto com a Filarmônica de Berlim em 1889 e um concerto completo com eles em fevereiro de 1890.

foto: Bruno Walter (1876-1962) sozinho [J. van Ronzelen -Berlin]. Inscrito e assinado no verso [“Fraulein Emma Mahler zur freundlichen Erinnerung an ihren treu ergeben Bruno Schlesinger”]. Emma Marie Eleanor Rose-Mahler (1875-1933). Romance curto em 1895.

foto: Bruno Walter (1876-1962) sozinho, no perfil [Hamburgo -Benque & Kinderman]. Inscrito no verso [“Fraulein Emma Mahler zur Erinnerung an gemeinsam schöne Stunden zugeeignet von”] e assinado na frente [“Bruno Schlesinger”]. Emma Marie Eleanor Rose-Mahler (1875-1933). Romance curto em 1895.

Ele estudou composição na Stern com Robert Radeke (de: Robert Radecke), e permaneceu ativo como compositor até cerca de 1910 (ver lista de composições abaixo). Mas foi assistir a um concerto de 1889 da Filarmônica de Berlim liderada por Hans von Bülow, escreveu ele, que “decidiu meu futuro.

foto: 1895 anoBruno Walter (1876-1962) com outro homem de boné branco [foto montada]. Datado no verso [“Sylt 1895”]. Sylt, Na Alemanha.

Agora eu sabia para o que era feito. Nenhuma atividade musical, exceto a de um maestro orquestral, poderia mais ser considerada por mim. ” Ele fez sua estréia como regente na Ópera de Colônia com Der Waffenschmied de Albert Lortzing em 1894. Mais tarde naquele ano, ele partiu para a Ópera de Hamburgo para trabalhar como diretor de coro. Lá ele conheceu e trabalhou pela primeira vez com Gustav Mahler, a quem ele reverenciava e com cuja música ele mais tarde se identificou fortemente.

Regência e Gustav Mahler

Em 1896, foi nomeado Kapellmeister do Stadttheater (ópera municipal) em Breslau, por recomendação de Mahler ao diretor do teatro, Theodor Löwe. No entanto, Löwe exigiu que, antes de assumir este cargo, o jovem maestro mudasse seu sobrenome de Schlesinger, que literalmente significa Silésia, “por causa de sua ocorrência frequente na capital da Silésia”. Em uma carta para seu irmão parafraseada por Erik Ryding e Rebecca Pechefsky, Walter disse ter “sugerido vários nomes, que Mahler escreveu e deu a Löwe, que devolveu o contrato com o nome de Bruno Walter”.

Esses biógrafos acrescentam que Walter escreveu a seus pais que descobriu que “ter que mudar seu nome era 'terrível'”; eles relatam que Mahler e suas irmãs “pressionaram” Walter a fazer a mudança de nome e acrescentam que, ao contrário de relatos ocasionais não comprovados, “não se sabe” se a estipulação de Löwe tinha algo a ver com o desejo de ocultar as origens judaicas de Walter.

Em 1897, Walter tornou-se Maestro Chefe da ópera municipal de Pressburg (hoje Bratislava). Ele considerou a cidade provinciana e deprimente e, em 1898, assumiu o cargo de Maestro Chefe da Ópera de Riga, na Letônia. Enquanto estava lá, ele se converteu ao cristianismo, provavelmente ao catolicismo romano. Em 1899, Walter foi nomeado diretor musical da Ópera de Temeswar, Áustria-Hungria (agora Timisoara, Romênia), a atual Filarmônica de Banatul de Timi? Oara.

foto: 1897 anoBruno Walter (1876-1962) sozinho [Albert Meyer, Berlim]. Com inscrição de 2 linhas, assinatura [“Bruno”] e data [“Wien den 22.IX.97”] no verso. 22-09-1897.

Walter então retornou em 1900 para Berlim, onde assumiu o cargo de Real Maestro Prussiano na Staatsoper Unter den Linden, sucedendo Franz Schalk; seus colegas lá incluíam Richard Strauss (1864-1949) e Karl Muck (1859-1940). Enquanto em Berlim, ele também conduziu a estréia de Der arme Heinrich por Hans Pfitzner (1869-1949), que se tornou um amigo para toda a vida.

Em 1901, Walter aceitou o convite de Mahler para ser seu assistente na Court Opera em Viena. Walter liderou o Aida de Verdi em sua estreia. Em 1907 ele foi eleito pela Filarmônica de Viena para conduzir seu Concerto Nicolai.

1908 ano, PragaGustav Mahler (1860-1911) e Bruno Walter (1876-1962).

1908. Sonata para Violino e Piano em Lá Maior por Bruno Walter (1876-1962). Composta para Arnold Josef Rose (1863-1946) e a ele dedicado: “Dem Lieben Freunde und grossen Künstler / Arnold Rosé / gewidmet”. Composição por volta de 1908. Estreada por Bruno Walter e Arnold Rose em Viena em 09-03-1909 (1909 ano) Primeira publicação em 1910. Cópia do copista.

Em 1910, ele ajudou Mahler a selecionar e treinar cantores solo para a estreia da Sinfonia No. 8. de Mahler. Nos anos seguintes, a reputação de regente de Walter disparou quando ele foi convidado a reger em toda a Europa - em Praga, em Londres onde em 1910 regeu Tristan und Os Destruidores em Covent Garden e em Roma, de Isolde e Ethel Smyth.

Quando Mahler morreu em 18-05-1911, Bruno Walter estava em seu leito de morte. Em 06-06-1911, ele escreveu para sua irmã que iria dirigir a estréia de Mahler's Das Lied von der Erde; ele o fez em Munique em 20-11-1911, na primeira metade de um concerto totalmente de Mahler (a segunda parte continha a Sinfonia nº 2 de Mahler). Em 26-06-1912, ele liderou a Filarmônica de Viena na estreia mundial de Sinfonia nº 9 de Mahler.

06-06-1911: Carta de Bruno Walter (1876-1962) em Bad Gastein (Áustria) para Justine (Ernestine) Rose-Mahler (1868-1938): Walter tenta consolar a si mesmo e Justine sobre a morte de Mahler no anterior 18-05-1911.

Eu gostaria apenas de dizer que meus pensamentos estarão com você amanhã, enquanto seus corações tristes se levantarão com nova veemência. Isso me pressiona aqui também…. E posso sempre me refrescar com a esperança de reduzir ao menos um pouco de minha dor e tristeza em ação: nas duas estreias de suas obras que darei no próximo inverno. Isso também será algo para você, espero. Amanhã você irá com Elsa e Arnold visitar seu túmulo - como ficaria feliz de estar lá também! Despedida! Em lembrança fiel, saúdo você e Arnaldo. Cordialmente seu, Bruno.

Isso preocupa: a esposa de Bruno Walters, Elsa e Arnold Josef Rose (1863-1946).

06-06-1911: Carta de Bruno Walter (1876-1962) para Justine (Ernestine) Rose-Mahler (1868-1938), assinatura Bruno (Walter).

Munique

Embora Walter tenha se tornado cidadão austríaco em 1911, ele deixou Viena em 1913 para se tornar o Diretor de Música Real da Baviera e Diretor Geral de Música da Ópera Estatal da Baviera em Munique. Enquanto estavam lá, argumentam Erik Ryding e Rebecca Pechefsky, “a contribuição de Walter para a história do desempenho de Wagner é mais significativa do que muitos imaginam. O Festival de Bayreuth foi suspenso após 1914 ... e retomado apenas em 1924. Durante esses nove anos, Munique foi o centro da autêntica performance de Wagner; seu Prinzregenttheather seguia o padrão do Festspielhaus em Bayreuth, e seu Teatro Nacional tinha visto as estreias mundiais de Die Meistersinger von Nürnberg, Das Rheingold, Die Walküre e Tristan und Isolda. Walter foi o diretor musical da cidade durante a maior parte desse período e presidiu a maior parte do repertório wagneriano. ”

Em janeiro de 1914, Walter conduziu seu primeiro concerto em Moscou. Durante a Primeira Guerra Mundial, ele permaneceu ativamente envolvido na regência, apresentando as estréias de Violanta e Der Ring des Polykrates de Erich Wolfgang Korngold, bem como Palestrina de Hans Pfitzner. Em 1920 dirigiu a estreia de Die Vögel, de Walter Braunfels.

Em Munique, Walter era um bom amigo do cardeal Eugenio Pacelli (mais tarde Papa Pio XII). A estreita amizade de Walter com Thomas Mann parece ter começado em Munique em 1914.

Estados Unidos

Walter terminou sua nomeação em Munique em 1922 e partiu para Nova York em 1923, trabalhando com a Orquestra Sinfônica de Nova York no Carnegie Hall; mais tarde regeu em Detroit, Minnesota e Boston.

Berlim, Leipzig, Viena

De volta à Europa, Walter fez sua estreia na Orquestra Gewandhaus de Leipzig e na Orquestra Real Concertgebouw em 1923, e foi Diretor Musical da Deutsche Oper Berlin (Städtische Oper) de 1925 a 1929. Ele fez sua estréia no La Scala em 1926, e foi o regente chefe das temporadas alemãs em Covent Garden, em Londres, de 1924 a 1931.

Walter serviu como Maestro Principal da Orquestra Gewandhaus de Leipzig de 1929 até março de 1933, quando seu mandato foi interrompido pelo novo governo nazista, conforme detalhado abaixo.

Em discursos no final da década de 1920, o líder nazista Adolf Hitler reclamou amargamente da presença de maestros judeus na ópera de Berlim e mencionou Walter várias vezes, acrescentando ao nome de Walter a frase "aliás Schlesinger". Quando os nazistas assumiram o poder, eles empreenderam um processo sistemático de barrar os judeus da vida artística.

Conforme relatado pelos biógrafos Erik Ryding e Rebecca Pechefsky, quando Hitler se tornou chanceler em janeiro de 1933, Walter estava regendo em Nova York, mas no mês seguinte navegou de volta para Leipzig planejando conduzir seus shows previamente agendados com a Orquestra Gewandhaus em março. No entanto, o Chefe de Polícia de Leipzig informou à gerência que cancelaria os shows se Walter os dirigisse. A gerência resistiu e Walter conduziu os ensaios, mas no dia em que aconteceria o primeiro concerto, a polícia, “em nome do ministério saxão do interior”, proibiu os ensaios gerais e os concertos; Walter deixou Leipzig.

Walter foi então escalado para reger a Filarmônica de Berlim em 20 de março, mas sua administração foi avisada por Joseph Goebbels de que “demonstrações desagradáveis” poderiam ocorrer no concerto, e o Ministério da Propaganda esclareceu isso dizendo que haveria violência no salão; ao ouvir isso, Walter decidiu se retirar, dizendo à administração: “Então, não tenho mais negócios aqui”. O show, ao final, foi conduzido por Richard Strauss. Walter escreveu mais tarde: “O compositor de Ein Heldenleben [“ A Hero's Life ”] declarou-se pronto para reger no lugar de um colega removido à força”. Um concerto que Walter estava programado para conduzir em Frankfurt também foi cancelado. Walter deixou a Alemanha e não regeria lá até depois da guerra.

A Áustria tornou-se seu principal centro de atividade nos anos seguintes. Ele e sua família se mudaram para Viena, onde regeu regularmente a Filarmônica de Viena (com a qual fez uma série de gravações importantes durante este período) e no Festival de Salzburgo, e em 1936 ele aceitou uma oferta para ser Diretor Artístico do Estado de Viena Ópera; lá, ele ocupava o mesmo cargo que outrora fora de Mahler. Ele também foi nomeado Maestro Convidado Permanente da Orquestra Real de Concertgebouw de Amsterdã (RCO) de 1934 a 1939, e fez participações especiais, como em concertos anuais com a Filarmônica de Nova York de 1932 a 1936.

Quando o Terceiro Reich anexou a Áustria - o Anschluss - em 1938, Walter estava na Holanda regendo a Orquestra Concertgebouw. Sua filha mais velha, Lotte, estava em Viena na época e foi presa pelos nazistas; Walter foi capaz de usar sua influência para libertá-la. Ele também usou sua influência para encontrar um local seguro para seu irmão e irmã na Escandinávia durante a guerra.

1939. Chegada Bruno Walter (1876-1962) em Amsterdã: Willem Mengelberg (1871-1951), porter, Elsa Walter (1871-1945) e Bruno Walter (1876-1962).

A filha de Walter, Gretel, foi assassinada em 21 de agosto de 1939 em Berlim pelo marido, que então se suicidou; seu motivo era o ciúme de seu relacionamento crescente com o baixo italiano Ezio Pinza. A esposa de Walter entrou em depressão permanente e morreu em 1945, e Walter se culpou pela tragédia, já que sua filha conheceu Pinza apenas porque Walter fez esforços especiais para contratá-lo para cantar o papel de Don Giovanni.

Voltar para os Estados Unidos

Em 1º de novembro de 1939, ele partiu para os Estados Unidos, que se tornou sua residência permanente. Ele se estabeleceu em Beverly Hills, Califórnia, onde seus muitos vizinhos expatriados incluíam Thomas Mann.

Los Angeles Bruno Walter (1876-1962) com a Columbia Symphony Orchestra (CSO).

Enquanto Walter teve muitas influências dentro da música, em seu Of Music and Making (1957) ele nota uma profunda influência do filósofo Rudolf Steiner. Ele observa: “Na velhice, tive a sorte de ser iniciado no mundo da antroposofia e, durante os últimos anos, de fazer um estudo profundo dos ensinamentos de Rudolf Steiner.

Aqui vemos viva e em operação aquela libertação de que fala Friedrich Hölderlin; sua bênção fluiu sobre mim e, portanto, este livro é a confissão de fé na antroposofia. Não há nenhuma parte da minha vida interior que não tenha recebido nova luz, ou tenha sido estimulada, pelos elevados ensinamentos de Rudolf Steiner ... Estou profundamente grato por ter sido tão infinitamente enriquecido ... É glorioso tornar-se um aprendiz novamente em meu tempo de vida. Tenho uma sensação de rejuvenescimento de todo o meu ser, o que dá força e renovação à minha musicalidade, até mesmo à minha forma de fazer música. ”

Durante seus anos nos Estados Unidos, Walter trabalhou com muitas orquestras americanas famosas. Em dezembro de 1942, ele foi oferecido a diretoria musical da Filarmônica de Nova York, mas recusou, citando sua idade; então, em fevereiro de 1947, após a renúncia de Artur Rodzinski, ele aceitou o cargo, mas mudou o título para “Consultor Musical” (ele renunciou em 1949). Entre outras orquestras com as quais trabalhou estavam a Chicago Symphony Orchestra, a Los Angeles Philharmonic, a NBC Symphony Orchestra e a Philadelphia Orchestra.

A partir de 1946, fez inúmeras viagens de volta à Europa, tornando-se uma importante figura musical nos primeiros anos do Festival de Edimburgo e em Salzburgo, Viena e Munique. Em setembro de 1950, ele voltou a Berlim pela primeira vez desde o concerto abortado de 1933; dirigiu a Filarmônica de Berlim em um programa de Beethoven, Mozart, Richard Strauss e Brahms e “deu uma palestra para os alunos do Conservatório Municipal - anteriormente sua antiga escola, o Conservatório Stern - a pedido dos alunos”

1947. 25 - 10 - 1947 Bruno Walter (1876-1962) e o Orquestra Real de Concertgebouw de Amsterdã (RCO) em ensaio no Amsterdam Royal Concertgebouw.

1948. Assinatura Bruno Walter (1876-1962) no livro intitulado “Gustav Mahler Briefe” publicado por Paul Zsolnay (1895-1961) em 1924. Viena, 16-05-1948. Para o professor Richard Marand (?)

Bruno Walter (1876-1962)Thomas Mann (1875-1955) e Arturo Toscanini (1867-1957).

Sua vida tardia foi marcada por gravações em estéreo com a Columbia Symphony Orchestra, um conjunto de músicos profissionais reunidos pela Columbia Records para gravações.

1952. Bruno Walter (1876-1962) e Elisabeth Schwarzkopf (1915-2006) no Amsterdam Royal Concertgebouw depois de uma performance de Gustav Mahlers ' Symphony No. 4.

1959. 05-09-1959 Telegram Bruno Walter (1876-1962) em Beverly Hills para o prefeito de Steinbach am Attersee sobre um Gustav Mahler (1860-1911) placa.

Ele fez sua última apresentação ao vivo em 4 de dezembro de 1960 com a Filarmônica de Los Angeles e o pianista Van Cliburn. Sua última gravação foi uma série de aberturas de Mozart com a Orquestra Sinfônica de Columbia no final de março de 1961. Bruno Walter morreu de ataque cardíaco em sua casa em Beverly Hills em 1962. Mas ele está enterrado em Cemitério Abbondio, Gentilino no Cantão Ticino, Suíça.

Mais

Em 1894, quando ainda não tinha 18 anos, Bruno Schlesinger estreou-se como maestro ao liderar a ópera ligeira Waffenschmied de Albert Lortzing. As críticas foram entusiásticas. Poucos dias depois, ele realizou uma execução de emergência da mesma obra. O elenco original não estava disponível para esta performance não programada. Dois dos cantores que foram chamados no último minuto não cantavam seus papéis há anos. Um dos comentários foi bastante hostil. Então, outro jornal veio em defesa de Schlesinger. A controvérsia pode ser uma fonte ainda melhor de publicidade do que elogios. Aos 17 anos, Schlesinger alcançou fama e sucesso.

Quem foi esse Bruno Schlesinger? O mundo o conhece como Bruno Walter. Em 1896, ele recebeu uma oferta de emprego no Breslau Stadttheater, com a condição de que mudasse seu nome. Talvez o diretor do Stadttheater tenha pensado que o nome Schlesinger soava muito judeu. Bruno não gostou de mudar de nome, mas cedeu à pressão; ele é Bruno Walter desde então. No entanto, em 1921, o crítico pró-nazista Hermann Esser o descreveu como "o maestro judeu Isidor Schlesinger, vulgo Walter". Esser estava sendo provocativo sobre o nome “Isidor”; talvez ele achasse que alguém que mudara seu sobrenome que soava judaico deveria ser acusado de mudar também um nome que soava judaico.

Além de mudar de nome, em resposta a pressões, Bruno Walter mudou de religião. Não está totalmente claro a qual ramo do cristianismo ele se juntou, mas provavelmente foi o catolicismo, já que suas cinzas foram enterradas em um cemitério católico. Sua conversão parece ter sido bastante sincera. Sua filha Lotte é citada como tendo dito: “Ele era um cristão, e um cristão muito bom. E quanto mais velho ficava, mais religioso realmente se tornava. ”

Outro músico, o compositor britânico Gerald Finzi, não se considerava judeu, mas nunca quis se tornar cristão ou qualquer outra coisa. Em 1938, Finzi tentou destruir as evidências de sua origem judaica porque temia que Hitler vencesse a guerra.1 A situação de Walter era exatamente o oposto. Ele queria se converter. Além disso, ao contrário de Finzi, Walter subestimou o perigo do anti-semitismo. Quando Hitler assumiu o poder, Walter estava regendo na Academia de Música do Brooklyn, mas voltou para a Alemanha após o noivado. Ele pensou, por um breve momento, que ainda poderia reger na Alemanha, até que um concerto que ele estava programado para reger na Gewandhaus de Leipzig foi cancelado na manhã da apresentação.

Walter então se mudou para Viena. Ele corajosamente escolheu a contralto afro-americana Marian Anderson como solista em uma apresentação da Alto Rapsódia de Brahms a ser apresentada em 17 de junho de 1936. Ele foi ameaçado de morte, mas o show continuou. Naquele mesmo mês, nazistas austríacos jogaram bombas de fedor durante uma apresentação de Tristão e Isolda conduzida por Walter, mas o show continuou. Quando Hitler assumiu a Áustria em 1938, Walter voltou a reger no exterior, em Amsterdã. Desta vez, ele sabia o suficiente para não voltar para casa. Ele acabou se mudando para a América, onde teve tanto sucesso e admirava um regente como na Alemanha e Áustria.

Walter foi contemporâneo de Arturo Toscanini, provavelmente o maestro mais admirado do mundo na época. Toscanini era conhecido por suas interpretações exatas e precisas e seus tempos geralmente rápidos. O estilo de Walter talvez fosse mais variado e romântico. Se não houvesse Toscanini, Walter poderia ter sido o maestro mais famoso da terra. Mesmo assim, Walter e Toscanini, que tiveram que fugir para a América, eram amigos.

Toscanini nunca regeu a música de Gustav Mahler. Walter, por outro lado, considerava Mahler, como Walter, um convertido ao Cristianismo - seu mentor. Walter amava e entendia a música de Mahler e a regia com frequência. Hoje, Mahler é muito admirado e executado com frequência, mas era bem menos popular durante a primeira metade do século XX. Walter foi um dos campeões de Mahler. Mahler gostou da regência de Walter; ele não gostou, entretanto, das composições de Walter. Nem ninguém mais, aparentemente. Apesar do sucesso ininterrupto de Walter como regente, ele foi um fracasso total como compositor. Poucas pessoas sabem que ele compôs.

A vida pessoal de Walter, apesar de seu triunfo como regente, foi repleta de decepções e tragédias. O fato de suas composições serem desconhecidas era uma fonte de tristeza. Outra era sua vida amorosa. Ele permaneceu casado com sua esposa Elsa por quase 44 anos até ela morrer em 1945, mas amava uma mulher diferente, a cantora Delia Reinhardt. Ele ficou profundamente triste quando teve que fugir da Alemanha e da Áustria depois que Hitler assumiu o controle. Pior de tudo, sua filha mais nova, Gretel, se apaixonou pelo barítono Ezio Pinza e foi assassinada por seu marido ciumento, um homem chamado Robert Neppach, que então se matou.

Walter era experiente, letrado e intelectual. Ele incluiu o autor vencedor do Prêmio Nobel Thomas Mann entre seus amigos. Ao mesmo tempo, ele acreditava na antroposofia, um sistema de espiritualidade antimaterialista altamente controverso desenvolvido por Rudolf Steiner. Foi Delia Reinhardt quem apresentou a Walter essa crença, mas sua paixão por ela não pode ser explicada simplesmente por seu amor por Reinhardt. Ele ficou cada vez mais envolvido. Ele não viu uma contradição entre sua crença cristã e o fato de Steiner ter dito que Jesus “foi visitado pelo espírito que habitou Moisés e Zoroastro”. Ele também não viu um conflito entre o misticismo de Steiner e sua própria intelectualidade. Walter nem parecia estar preocupado com a contradição entre sua própria crença na “liberdade de pensamento e de compreensão e paz entre os solteiros e entre as nações” e a visão aparente de Steiner de que “a raça negra pertence à noite, os amarelos corrida pela manhã, os brancos pelo dia. ”

Ryding e Pechefsky escreveram uma biografia detalhada e bem documentada de um músico respeitado cuja carreira como regente foi longa e bem-sucedida. Resta muito que eles não puderam encontrar. O que diabos Walter estava pensando quando abraçou a antroposofia? Ele sabia o que Steiner havia escrito sobre raça? Ou ele encontrou outras passagens nos escritos de Steiner que fizeram o racismo parecer inofensivo? E os sentimentos de Walter por Elsa, sua esposa? Ele a amava e Delia Reinhardt ao mesmo tempo? Ou ele ficou com Elsa por causa do senso de dever? O que Walter pensou quando foi descrito como “o condutor judeu Isidor Schlesinger”? O que ele pensou quando teve que fugir da Alemanha e depois da Áustria? Ele se identificou como judeu naquela época? Ou ele se considerava um cristão injustamente culpado por seus ancestrais?

Gravações

O trabalho de Walter foi documentado em centenas de gravações feitas entre 1900 (quando ele tinha 24 anos) e 1961. A maioria dos ouvintes se familiarizou com ele por meio de gravações estéreo feitas em seus últimos anos, quando sua saúde estava piorando. Mas muitos críticos concordam que essas gravações não transmitem totalmente como a arte de Walter deve ter soado em seu início. Por um lado, as gravações tardias às vezes têm uma genialidade que contrasta com as performances mais mercuriais, intensas e enérgicas que Walter gravou nas décadas anteriores. Por outro lado, as últimas gravações se concentram principalmente na música de Mozart a Mahler, mas na juventude de Walter ele freqüentemente regia o que era então música mais recente (incluindo Mahler).

Walter trabalhou em estreita colaboração com Mahler como assistente e protegido. Mahler não viveu para apresentar seu Das Lied von der Erde ou Sinfonia No. 9, mas sua viúva, Alma Mahler, pediu a Walter para estrear ambos. Walter liderou a primeira apresentação de Das Lied em 1911 em Munique e da Nona em 1912 em Viena com a Filarmônica de Viena. Décadas depois, Walter e a Filarmônica de Viena (com o cunhado de Mahler, Arnold Rosé ainda um concertino) fizeram as primeiras gravações de Das Lied von der Erde em 1936 e da Nona Sinfonia em 1938. Ambos foram gravados ao vivo em concerto, o mais tarde, apenas dois meses antes de o Anschluss nazista levar Walter (e Rosé) ao exílio.

Essas gravações são de especial interesse para as práticas de execução da orquestra e também para a intensidade de expressão. Walter iria regravar os dois trabalhos com sucesso nas décadas posteriores. Sua famosa Decca Das Lied von der Erde com Kathleen Ferrier, Julius Patzak e a Filarmônica de Viena foi feita em maio de 1952, e ele a gravou novamente em estúdio com a Filarmônica de Nova York em 1960. Ele regeu a Filarmônica de Nova York em 1957 gravação estéreo da segunda sinfonia. Ele gravou a Nona em estéreo em 1961.

Já que o próprio Mahler nunca regeu a Nona Sinfonia e Das Lied von der Erde, as performances de Walter não podem ser tomadas como documentações das interpretações de Mahler. Mas, à luz da conexão pessoal de Walter com o compositor, e de ter dado as apresentações originais, eles têm outro tipo de autenticidade primária. Em suas outras (muito estimadas) gravações de Mahler - várias canções e a Primeira, Segunda, Quarta e Quinta sinfonias - há o grande interesse agregado por ele ter ouvido as apresentações do próprio Mahler na maioria delas.

Walter fez muitas gravações aclamadas de outros grandes compositores germânicos, como Mozart, Haydn, Beethoven, Schubert, Johannes Brahms, Johann Strauss Jr. e Anton Bruckner, bem como de Bach, Wagner, Schumann, Dvorak, Richard Strauss, Tchaikovsky , Smetana e outros. Walter foi um regente líder de ópera, particularmente conhecido por seu Mozart, e as gravações de algumas da Metropolitan Opera e do Festival de Salzburgo estão agora disponíveis em CD. O mesmo ocorre com as apresentações de Wagner, Verdi e Fidelio de Beethoven. Também são de grande interesse as gravações dos anos 1950 de seus ensaios de Mozart, Mahler e Brahms, que dão uma visão sobre suas prioridades musicais e sobre a maneira calorosa e não tirânica (em contraste com alguns de seus colegas) com a qual ele se relacionou orquestras.

Composições

Walter compôs ativamente até pelo menos 1910. Conforme detalhado na biografia de Erik Ryding e Rebecca Pechefsky, suas composições incluem:

  • Sinfonia nº 1 em Ré menor (composta por volta de 1907; estreada em Viena, 1909; gravada pelo CPO # 777 163-2, 2008).
  • Sinfonia nº 2 em E (composta por volta de 1910).
  • Fantasia Sinfônica (composta em 1904; estreada por Richard Strauss em 1904).
  • Quarteto de Cordas em Ré Maior (1903; estreado em Viena pelo Quarteto de Rosas).
  • Piano Quintet (estreado em 1905 em Viena pelo Quarteto de Rosas).
  • Piano Trio (estreado em 1906 em Viena por Walter e membros do Quarteto de Rosas).
  • Sonata para Violino e Piano em Lá (1908; composta para Arnold Josef Rose (1863-1946), e a ele dedicado: “Dem Lieben Freunde und grossen Künstler / Arnold Rosé / gewidmet”. Composição por volta de 1908. Estreado por Bruno Walter e Arnold Rose em Viena em 09-03-1909. Primeira publicação em 1910. A abertura Allegro con espressione começa com um humor confiante. No entanto, conforme o movimento avança, ouvimos o bater rítmico de um motivo de destino que cria dúvida e uma sensação de mau presságio. O segundo movimento, Andante serioso, embora em parte lírico, mantém uma certa angularidade rítmica. O final, Moderato, começa na calma menor e marcada. No entanto, ele não permanece calmo por muito tempo, seja no humor ou na tonalidade, enquanto eventualmente se move para a tonalidade mais quente de Lá Maior. Veja a página do título nesta página da web.
  • Música incidental para “King Éedipus” (1910. A produção foi uma adaptação da peça Sófocles de Hugo von Hofmannsthal. Foi dirigida por Max Reinhardt e estreou em setembro de 1910 em Munique, seguida de apresentações em Berlim, Colônia e Viena .
  • Numerosas canções.
  • Obras de coral.

Trabalhos escritos

  • III de Gustav Mahler. Symphonie. In: Der Merker 1 (1909), 9-11.
  • Mahlers Weg: ein Erinnerungsblatt. In: Der Merker 3 (1912), 166–171.
  • Über Ethel Smyth: ein Brief von Bruno Walter. In: Der Merker 3 (1912), 897–898.
  • Kunst und Öffentlichkeit. In: Süddeutsche Monatshefte (outubro de 1916), 95-110.
  • Beethovens Missa solemnis. In: Münchner Neueste Nachrichten (30. out. 1920), Beethoven suppl., 3-5.
  • Von den moralischen Kräften der Musik. Vienna 1935.
  • Gustav Mahler. Wien 1936.
  • Bruckner e Mahler. In: Chord and Discord 2/2 (1940), 3–12.
  • Thema und Variationen - Erinnerungen und Gedanken. Stockholm 1947.
  • Von der Musik und vom Musizieren. Frankfurt 1957.
  • Mein Weg zur Anthroposophie. In: Das Goetheanum 52 (1961), 418–21.
  • Briefe 1894–1962. Hg. LW Lindt, Frankfurt AM 1969.

Gravações notáveis

  • 1935: Richard Wagner, Die Walküre (Ato I), com a Orquestra Filarmônica de Viena, feat. solistas Lotte Lehmann, Lauritz Melchior, Emanuel List, et al. (Grandes Gravações do Século EMI, Histórico de Naxos).
  • 1938: Gustav Mahler, Sinfonia No. 9, com a Orquestra Filarmônica de Viena. (Dutton, EMI Grandes Artistas do Século, Naxos Historical).
  • 1941: Ludwig van Beethoven, Fidelio, com a Metropolitan Opera, feat. solistas Kirsten Flagstad, Alexander Kipnis, Herbert Janssen, et al. (Histórico de Naxos).
  • 1952: Gustav Mahler, Das Lied von der Erde, com a Orquestra Filarmônica de Viena, feat. solistas Kathleen Ferrier e Julius Patzak. (Decca Legends, Naxos Historical).
  • 1956: O nascimento de uma apresentação: os ensaios de Walter e a apresentação final da sinfonia “Linz” de Mozart, com a Orquestra Sinfônica de Columbia. Um caso então raro de ensaios de uma performance sendo emitida em uma gravação comercial. (Sony Masterworks).
  • 1958–1961: Ludwig van Beethoven, Sinfonia No. 4 e Sinfonia No. 6, com a Orquestra Sinfônica de Columbia. (Sony Bruno Walter Edition).
  • 1960: Johannes Brahms, Symphony No. 2 e Symphony No. 3, com a Orquestra Sinfônica de Columbia. (Sony Bruno Walter Edition).

Bibliografia

  • Dalin, David G. (2005). O mito do Papa de Hitler: Papa Pio XII e sua guerra secreta contra a Alemanha nazista. Washington, DC: Regency Publishing. ISBN 9780895260345.
  • Fischer, Jens Malte (2011). Gustav Mahler. Traduzido por Stewart Spencer. Yale University Press. ISBN 9780300134445.
  • Friedländer, Saul (1997). A Alemanha nazista e os judeus, Volume 1: Os anos de perseguição, 1933–39. HarperCollins. ISBN 9780753801420.
  • Hemleben, Johannes (2000). Rudolf Steiner: uma biografia ilustrada. Sophia Books.
  • Holden, Raymond (2005). Os condutores virtuosos: a tradição da Europa Central de Wagner a Karajan. New Haven, CT: Yale University Press. ISBN 978-0-300-09326-1.
  • Ross, Alex (2007). O resto é barulho: ouvindo o século XX. Farrar, Straus e Giroux. ISBN 9780374249397.
  • Ryding, Erik; Pechefsky, Rebecca (2001). Bruno Walter: um mundo em outro lugar. New Haven, CT: Yale University Press. ISBN 978-0-300-08713-0.
  • Walter, Bruno (1961). De Música e Produção de Música. Nova York: WW Norton & Company. OCLC 394450.
  • Walter, Bruno; Galston, James A. (1946). Tema e variações: uma autobiografia. Nova York: AA Knopf. OCLC 564814.

Se você encontrou algum erro, por favor, avise-nos selecionando esse texto e pressionando Ctrl + Enter.

Relatório de erros ortográficos

O seguinte texto será enviado aos nossos editores: