Bernhard Pollini (1838-1897)

Bernhard Pollini (1838-1897)

  • Profissão: Tenor, Intendente, Diretor Teatro da cidade Hamburgo.
  • Residências: Hamburgo.
  • Relação com Mahler: Trabalhou com Gustav Mahler. O cargo de Mahler em Hamburgo era o de maestro chefe, subordinado ao diretor Bernhard Pohl (conhecido como Pollini), que mantinha o controle artístico geral. Pollini estava preparado para dar a Mahler uma margem de manobra considerável se o regente pudesse ter sucesso comercial e artístico. Mahler fez isso em sua primeira temporada, quando regeu Tristão e Isolda de Wagner pela primeira vez e deu apresentações aclamadas de Tannhäuser e Siegfried do mesmo compositor. Outro triunfo foi a estreia alemã de Eugene Onegin de Tchaikovsky, na presença do compositor, que classificou a regência de Mahler de “espantosa” e, posteriormente, afirmou numa carta que acreditava que Mahler era “positivamente um gênio”.
  • Correspondência com Mahler: Sim. 
  • Nascido em: 16-12-1838 Colônia, Alemanha.
  • Morreu em: 26-11-1897 Hamburgo, Alemanha.
  • Sepultado: 00-00-0000 
  1. Ópera.

Também: Bernhard Pohl / Baruch Pohl. Bernhard Pollini começou sua carreira na ópera como tenor cantando o papel de Arturo em “Puritani” em Berlim. Ele foi aluno de Georg Weikl. Pollini é mais conhecido como o diretor do Hamburg Stadt Opera Theatre, cargo que assumiu em 1873. O Stadt-Theatre passou por tempos difíceis por ter sido construído em 1826 e precisava urgentemente de reforma. Pollini alugou o prédio e o reconstruiu ao seu esplendor original, fazendo reformas tanto internas quanto externas. Uma segunda renovação em 1891 veria a introdução de luzes elétricas para o teatro. Pollini foi atraído pela música de Richard Wagner, sem descuidar de Verdi. Em 1879, ele produziu “Ring of the Nibelung” de Wagner, e em 1883, o ano da morte de Wagner, ele produziu um ciclo de nove de suas óperas. Quase mil apresentações foram programadas antes da morte do mestre. Pollini conseguiu atrair os artistas de elite da época e não teve medo de estrear novas óperas. Ele trouxe os melhores diretores musicais para Hamburgo, envolvendo Hans von Bulow (1887-1890) e Gustav Mahler (1891-1897), que contribuíram muito para a fama da Ópera de Hamburgo. Pollini morreu em 27 de novembro de 1897 em Hamburgo. Seu sucessor em 1891 como diretor da Ópera de Hamburgo foi Gustav Mahler. 

Empresário alemão da ópera, nascido Baruch Pohl. De origem judaica, ele começou como cantor de ópera, fazendo sua estreia no palco como tenor em Colônia em 1857. Ele então serviu por um tempo como barítono na Companhia de Ópera Italiana em São Petersburgo, tornando-se seu empresário. Em 1874, alugou o Stadt-Theater em Hamburgo e conseguiu resgatá-lo de sua catastrófica situação financeira e artística. Pollini, que se tornou oficialmente cidadão de Hamburgo em 1888, permaneceu como diretor do teatro até sua morte, quase um quarto de século depois. Seu foco era construir um “teatro estrela” com altos salários para os cantores, altos preços dos ingressos e uma orquestra mal paga. Nisso ele certamente foi bem-sucedido, pois o Stadt-Theatre se tornou uma ópera de classe europeia, mesmo que alguns dos artistas com quem trabalhou, notadamente Gustav Mahler (que atuou como regente principal do teatro de 1891 a 1897), expressou reservas sobre sua política. Com o passar dos anos, conquistou outros espaços em Hamburgo, como o Teatro Altona e o Teatro Thalia, que lhe valeu o soubriquet “Mono-Pollini”. Ele também prestou assistência a Hermann Wolff na criação dos Novos Concertos de Assinatura em Hamburgo, que foram conduzidos por Hans von Bulow (1830-1894).

Pollini reconheceu logo no início o poder atraente das obras teatrais de Tchaikovsky, mesmo para o público alemão, e apressou-se em adquirir os direitos de execução de muitas delas, não apenas de Hamburgo. Assim, em uma carta a seu editor Pyotr Jurgenson no final de 1890, Tchaikovsky explicou que havia concedido a Pollini os direitos de atuação de Yevgeny Onegin, A Rainha de Espadas e A Bela Adormecida em todos os teatros alemão e austro-húngaro. Pollini acabou adquirindo os direitos de atuação para The Maid of Orleans, Mazepa e Iolanta também. Parece que a primeira ópera do compositor russo que Pollini queria encenar em Hamburgo era A Rainha de Espadas, e a noite de estréia estava marcada para setembro de 1891. Tchaikovsky havia até prometido que viria a Hamburgo para assistir à apresentação.

Bernhard Pollini (1838-1897).

No entanto, Pollini mudou de ideia e decidiu que Onegin seria apresentado primeiro ao público alemão. No final de 1891, Tchaikovsky providenciou para que Jurgenson enviasse a Pollini a partitura completa e partes de Onegin (uma cópia do livreto com as instruções de Josef Pale? Ek para a produção de Onegin em São Petersburgo de 1884 que também chegou a Pollini graças a Daniel Rahter, editora alemã com sede em Hamburgo das obras de Tchaikovsky). Pollini insistiu que Tchaikovsky fosse a Hamburgo em janeiro de 1892 e regesse a primeira apresentação de sua ópera lá. No final, as dificuldades que Tchaikovsky teve no ensaio geral para seguir os recitativos em alemão o induziram a ceder a batuta de maestro a Gustav Mahler, que assim veio conduzir a estréia alemã de Yevgeny Onegin em 7/19 de janeiro de 1892 (após Praga em 1888, esta foi apenas a segunda vez que a ópera foi encenada fora da Rússia). No mesmo dia da apresentação, Pollini explicou a Tchaikovsky que queria montar mais três de suas óperas em Hamburgo durante a próxima temporada: Iolanta, Mazepa e A Rainha de Espadas. No final das contas, porém, apenas o primeiro desses projetos foi realizado.

A estreia alemã de Iolanta em Hamburgo em 22 de dezembro de 1892/3 de janeiro de 1893, conduzida por Gustav Mahler, veio apenas duas semanas após a estreia mundial da ópera em São Petersburgo e não foi apenas a primeira apresentação de Iolanta fora da Rússia, mas a segunda apresentação da ópera como tal. Três dias depois da estreia em Hamburgo, Iolanta também foi encenada no Schwerin Court Theatre, cujo diretor, Karl von Ledebur, foi persuadido a assumir aquela ópera por Pollini. Embora Tchaikovsky tivesse prometido a Pollini que compareceria às estreias de Hamburgo e Schwerin, ele posteriormente mudou de ideia e não viajou para a Alemanha no início de 1893. No verão, porém, ele recebeu uma carta de Pollini implorando que ele viesse para Hamburgo para o renascimento de Iolanta na próxima temporada, bem como para discutir com Mahler e com ele mesmo a produção de A Rainha de Espadas que eles queriam apresentar no Stadt-Theatre na temporada de 1893/94. Esta última ideia não funcionou e, na verdade, A Rainha de Espadas só seria encenada em Hamburgo em 1953.

No entanto, Tchaikovsky veio a Hamburgo em setembro para a revivificação de Iolanta, que havia sido analisada com entusiasmo por Josef Sittard em sua primeira apresentação lá, oito meses antes. Durante a sua breve e última estada na cidade hanseática (25 de agosto / 6 de setembro-29 de agosto / 10 de setembro de 1893) o compositor hospedou-se na casa de Pollini, e foi em 26 de agosto / 7 de setembro de 1893 que ouviu Iolanta no Hamburgo estágio, novamente conduzido por Gustav Mahler, no quadro de uma fatura dupla que contou, após o intervalo, com a primeira atuação em Hamburgo do Pagliacci de Leoncavallo, com Bertha Forster-Lauterer (1869-1936) como Nedda. O marido da soprano tcheca, Josef Bohuslaw Forster (1859-1951), deixou um relato interessante de seu encontro com Tchaikovsky na casa de Pollini no dia seguinte.

Bernhard Pollini (1838-1897). Assinatura.

Se você encontrou algum erro, por favor, avise-nos selecionando esse texto e pressionando Ctrl + Enter.

Relatório de erros ortográficos

O seguinte texto será enviado aos nossos editores: