David Gothard se formou com mestrado em Filosofia e História da África pela Universidade de Edimburgo durante quatro anos, quando o teatro estudantil desempenhou um papel importante. Como pós-graduado do British Council em Budapeste, dirigiu produções pioneiras e provocativas de TS Eliot, Beckett e Pinter. Trabalhou no Royal Court Theatre, em Londres, sob a direção artística de Lindsay Anderson e William Gaskill.

Ele ingressou no Riverside Studios em Londres em 1977 sob o comando de Peter Gill, durante um período seminal: na temporada de abertura foi lançado o agora lendário "The Cherry Orchard" de Peter Gill, o trabalho de Athol Fugard da África do Sul, a primeira colaboração teatral de Miro desde Diaghilev e Shuji “Direcções aos Servos” de Terayama.

Um ano antes, em 1976, David já havia usado Riverside para The Dead Class, de Tadeusz Kantor, que provocou sensação na história do Festival de Edimburgo com sua cobertura televisiva, abrindo o precedente para o trabalho internacional, não confinado a uma forma de arte, estabelecendo um estilo para Riverside está lotado de eventos Riverside (o lugar) em vez de uma separação estrita das artes. Você buscou a energia e a surpresa do lugar, bem como o evento de arte. A própria exposição pop-up de Kantor com Boltanski correu paralelamente à exposição formal do Whitechapel com curadoria de Nicholas Serota.

Entre os escritores desenvolvidos durante os primeiros anos estavam Hanif Kureishi, Tunde Ikoli .Stephen Poliakoff, David Drane e Steven Lowe. Eles e outros exibiram o trabalho em festivais de repertório de curta duração de novos trabalhos, incluindo a estrutura Plays Umbrella, que incluía Mustapha Matura, Edgar White, Peter Gill e Nicholas Wright. Diretores que lançaram suas carreiras, muitas vezes por meio de apresentações informais, incluíram Simon Usher, David Leveaux, Tina Packer, Stephen Daldry e Simon McBurney com um evento pioneiro de Complicite.

Escritores americanos introduzidos com sucesso na Grã-Bretanha por David incluem Emily Mann, Naomi Wallace, David Hancock e Joshua Casteel.

A relação entre a escrita e o filme desempenhou um papel importante nas atividades de David na Riverside, mesmo antes de seu cinema de 35 mm ser construído, grande parte dele por iniciativa de Jan Dawson, seu colega de cinema. Com uma tela de 16 mm suspensa no telhado de um dos estúdios, Bill Forsyth, Peter Greenaway, Lazar Stoianovic, Rebecca O'Brien e Andrew Eaton desenvolveram as raízes de suas carreiras. Em 1985, Andrei Tarkovsky encontrou lá uma base para a preparação de “O Sacrifício”. Ele comandou um comitê de trabalho para Tarkovsky enquanto os dois desenvolviam a possibilidade de “Hamlet” como um filme. Hanif Kureishi havia trabalhado no escritório de David e seu pacote contendo o roteiro de "My Beautiful Laundrette" impulsionou Stephen Frears e Tim Bevan em uma sacudida no cenário cinematográfico britânico com a fundação da empresa Bevan's Working Title.

A galeria Riverside foi indicada com exclusividade para o Turner Prize em 1984. Sob a direção de David, as residências Riverside floresceram, com nomes como Dario Fo, Tarkovsky, Jean-Baptiste Thierre e Victoria Chaplin, Joseph Chaikin, Italo Calvino, Kathy Acker e Samuel Beckett. Nastasia Filipovna de Wajda do Stary Theatre, Zbigniew Herbert e Rosewicz estavam entre seus sucessos poloneses entre o retorno de Cricot 2 com a obra posterior de Kantor. As exposições incluíram a coleção Lodz Construtivist, artistas Foksal e Stazewski.

A performance de Philip Glass e Sol LeWitt com Lucinda Childs 'Dance', levou eventualmente no século seguinte a um convite de Spoleto e Marina Mahler para o desenvolvimento de sua mãe, o estúdio de Anna Mahler em Spoleto se tornando um catalisador criativo em um relacionamento com o estúdio de LeWItt. porta. Sob Marina Mahler, Carol e Eva LeWitt com Guy Robertson, residências de artistas, eventos e uma amizade criativa com aquela cidade. As palestras atuais de David na Universty of the Arts em Chelsea e sua relação com a galeria Chelsea Space, atualmente se concentram na curadoria. Em 2016, ele foi agraciado com o Prêmio Chelsea Arts Club por serviços à Educação Artística.

Um sonho pessoal foi alcançado sob sua direção artística com a introdução de Riverside no lendário, mas não subsidiado Motley Design Course, fundado pela visão radical de grandes visionários da performance nos anos trinta. Marcel Breuer projetou em Islington um teatro pioneiro para Michel St Denis, depois do Julliard, Komisarjevsky, ex-Moscow Arts Theatre, George Devine, fundador do Royal Court Theatre e Glen Byam Shaw, fundador da Stratford Shakespeare Company, mais tarde RSC, com Motley, designers da Broadway a Agnes de Mille para o domínio do British Theatre em sua nova visão radical expressa na fundação do Royal Court Theatre com um conjunto de princípios respeitados até hoje com amor pela escrita. e um amor por Brecht. O design cinematográfico nos grandes filmes dos anos XNUMX era seu território. O primeiro graduado de Motley foi Jocelyn Herbert, cuja relação de trabalho com Samuel Beckett o levou a residir em Riverside com a San Quentin Prison Company dirigida por Beckett em 'Waiting for Godot' e 'Endgame' antes dos shows irem para o Abbey Theatre, em Dublin. 

O ingrediente poderoso desse treinamento para a performance era seu relacionamento próximo com a produção e os operários de palco. Na Riverside, isso significou desde a filosofia prática, estudantes ganhando dinheiro, seminários de lendas como Matta e Dario Fo e as residências de diretores como Simon Usher e David Leveaux. Foi uma parceria criativa sólida até a sua destruição por políticos quando o Teatro Almeida começou Pierre Audi deu abrigo a eles.

Hoje, David luta pela ressurreição de Motley com seu presidente, Paul Handley, diretor de produção do NT. Motley projetou mais shows na Broadway e no Met do que qualquer outro designer. Jocelyn Herbert, sob a direção de John Dexter, transformou visualmente a Metropolitan Opera House.

David foi convidado por Robert Brustein para resolver uma lacuna na temporada do American Repertory Theatre em Cambridge, MA, e o diretor residente, com Simon Usher e Associate at Riverside após Gill, foi David Leveaux cuja produção de "A Moon For the Misbegotten" de Riverside, ganhou Tonys na Broadway, onde tem trabalhado fortemente desde então. Sua direção de Projetos Teatrais em Tóquio o levou a uma parceria de trabalho, não menos importante, japonesa, treinamento de designer na Motley, workshop sobre Shakespeare e Mishima no Japão por David e um apoio generoso. David dirigiu uma produção de sucesso de “Bash” de Neil Labute lá. 

Em Riverside, ele dirigiu o programa de apresentações do Festival para Pupul Jayakar para o pioneiro Festival da Índia que marcou a visita de estado da Sra. Gandhi, mais lembrada por seus recitais por gurus da dança e da música, mas alcançando a visita de Habib Tanvir, o sempre lembrado diretor do Indian Village Theatre. 

Em 1988, David foi premiado com a primeira Kingman Brewster Theatre Fellowship of the British American Arts e ministrou novos textos nos EUA, dando seminários sobre Tarkovsky e novos filmes britânicos na Columbia University. Ele trabalhou no Actors Studio em Nova York e no National Theatre em Washington DC. No final dos anos XNUMX, ele também apresentou o Balé de Frankfurt, Mori el Merma e o trabalho teatral de Andrzej Wajda para a América no festival Pepsico Summerfare em Purchase, no interior do estado de Nova York.

Ele voltou a Londres para contratar diretores e escritores de primeira viagem para uma série de curtas para o Channel 4. Ele então continuou sua associação de trabalho com Hanif Kureishi como produtor em Londres me mata.

Ele aceitou a nomeação do Artistic Associate no Leicester Haymarket Theatre, onde o trabalho de John Dexter com Jocelyn Herbert de “Orestes” e Julius Caesar ”foi aclamado com a produção do Reino Unido de“ M.Butterfly ”com Anthony Hopkins e um cenário de Eiko Ishioka. Beckett foi ativo na criação de “Krapp's Last Tape“ com David Warrilow e Herbert, dirigido por seu tradutor polonês e amigo, Antoni Libera. A Rustaveli Company da Geórgia visitou e o trabalho de Joseph Chaikin, Jean-Claude von Itallie e Sam Shepard foi celebrado com o trabalho de escritores de Leicester, incluindo Joe Orton.

No final dos anos XNUMX, após deixar Riverside, David voltou para a Europa Oriental. Em Yugloslavia, dirigiu “O Castelo” de Howard Barker, com o artista performático Katalin Ladic e Denes Dobrei. Lazar Stoianovic e Andras Forgac eram dramaturgos. Então, por quinze meses, David presidiu um comitê internacional de projetos teatrais envolvendo companhias líderes da Hungria, Alemanha e Itália, incluindo a representação de todos os agrupamentos nacionais da ex-Iugoslávia. Durante a guerra, voltou a ensinar atores, escritores e diretores na Academia de Cinema e Teatro da Eslovênia e escreveu um relatório sobre a potencial participação da Eslovênia no programa cultural da Comunidade Europeia.

Em 1998 e 1999, ele ensinou roteiro para a Fundação Soros em Ljubljana. Produções de Aldeia, Em seguida Macbeth relançou o Teatro Nacional de Kosova, foi iniciado com David dirigindo enquanto ele era presidente do júri no Festival de Sarajevo no outono de 1998. O trabalho percorreu cidades atingidas e então abriu o primeiro programa de artes da Conferência Mundial de AIDS em Durban, África do Sul como convidados da nação Zulu e estudantes muçulmanos. Ele dirigiu a primeira nova peça em Kosovo em ambas as línguas para ambas as culturas. Ele continua como diretor do Prishtina Film Festival.

No início de 1999, David retornou a Budapeste para o Merlin Theatre, onde dirigiu uma produção experimental baseada em Ted Hughes ' Corvo e o trabalho de Janos Pilinsky e Sheryl Sutton. Haverá uma exposição de seu trabalho no Museu do Teatro em Budapeste em 2018.

David tem sido regularmente convidado para o júri do Festival de Dramaturgos e para lecionar no Workshop de Dramaturgos na Universidade de Iowa. Lá, ele ajudou a formar uma equipe de escritores para formar uma empresa para fazer turnês de novas peças no meio-oeste. Sua própria direção de David Hancock Tatuagem de arca veio para Nova York. Em novembro de 1998, ele dirigiu o workshop de uma nova peça, “In the Sweat”, de dois escritores de Iowa, Naomi Wallace e Bruce McLeod, para um projeto para jovens no National Theatre. No verão de 2003, ele dirigiu uma nova peça de Brian Tuttle em Columbus, Ohio, e uma produção ao ar livre de “The Seagull” de Chekhov no parque. Em 2005, ele dirigiu uma segunda peça de Tuttle em Boston. Em Roanoke, Virgínia, no Mill Mountain Theatre, dirigiu "The Fever Chart" de Wallace com Ismail Khalidi em 2009.

Em 2005, o filme "Altitude" foi feito em turnê pelo Tibete e partes da China rural, gravando David como diretor de uma performance de Shakespeare de Joseph Fiennes com um percussionista, improvisado em mosteiros por todo o Tibete. Fiennes e ele dirigiu o primeiro workshop de atores sobre Shakespeare em a Universidade de Lhasa.

Em janeiro de 2007, ele se tornou Artista Associado no Abbey Theatre, Dublin, e fez uma produção no Kasser Theatre em Montclair, baseada nos artistas de Nova Jersey, William Carlos Williams, Robert Smithson, George Segal, Leroi Jones e Allen Ginsberg.

David é membro do comitê de jurados do Prêmio George Devine de nova dramaturgia e dos prêmios Jan Dawson e Katrin Carlidge de filme independente.

Seu trabalho recente com um de seus graduados em escrita criativa em Iowa, Joshua Casteel, envolveu a criatividade de veteranos de guerra, levando a uma nova ópera atualmente na Universidade de York, escrita por James Cave. O trabalho musical anterior de David ajudou a produzir a explosão de New Music dos primeiros Gavin Bryars e Michael Nyman, apresentando Laurie Anderson e Glenn Branca a Londres. “The Return” de Casteel recebeu uma leitura inicial no Martin E. Segal Theatre Center, em Nova York. Uma versão completa viajou para Dublin, via Princeton, Chicago e Nova York, envolvendo workshops e conferências com veteranos. Uma nova produção itinerante para os EUA produzida por um graduado, Artem Yatsunov, de Broolkyn.

Sua experiência de trabalho na Europa recentemente incluiu a produção de uma seção da Bienal de Gráficos Eslovenos de 2016, com curadoria de Nicola Lees. David continua a produzir filmes independentes; em 2017 um filme intitulado “Homem Esquecido” dirigido por Arran Shearing que acaba de ganhar o “Melhor Filme Independente” em Sydney, Austrália. Ele é o Produtor Executivo do Mahler FoundationPrimeiro filme comissionado “Houses of Mahler”, dirigido por Matthew Burdis.

Ele regularmente ensina a estudantes diretores de redação na National Film School e na Birkbeck na Universidade de Londres. Ele é um palestrante convidado no Peak Performances na Montclair State University, no International Writers Program na University of Iowa com o Playwrights Workshop e no Chelsea College of Art and Design (MA Curating). 

Nos últimos anos, desde 2010 com Marina Mahler e Carol LeWitt, ele fundou as residências Anna Mahler / Sol LeWitt para artistas, escritores, músicos e curadores nos antigos estúdios de Mahler e LeWitt em Spoleto, Umbria.

Em 2019, David foi nomeado CBE pela Rainha da Inglaterra por “Serviços para teatro e cinema”

Se você encontrou algum erro, por favor, avise-nos selecionando esse texto e pressionando Ctrl + Enter.

Relatório de erros ortográficos

O seguinte texto será enviado aos nossos editores: